Sonya Azevedo
Essência em versos e prosas
Capa Textos Áudios E-books Perfil Livro de Visitas Contato
Textos
Conchas da Felicidade!

 
Certa vez, quando criança, levaram-me à praia para um banho de mar. Na caminhada, encontrei uma linda concha que guardei como lembrança daquele dia maravilhoso. Fui crescendo e, cada vez mais, apaixonando-me pelas conchas com suas diversas formas e cores. Criei em mim o hábito de, em alguns momentos de alegria e felicidade, ir à praia e procurar por conchas que expressassem a emoção do momento.

Tornei-me uma colecionadora de conchas!

Hoje, após muitos anos, percebo o volume de conchas que acumulei em todo esse tempo. São milhares delas, muitos milhares... São tantas que já nem mais lembraria o momento de cada uma, não viesse junto o adesivo com a data e o fato.

Resolvi, então, pesar na balança os momentos de alegria para comparar ao peso dos momentos de tristeza impressos em pedras da memória. O prato da alegria nem se mexeu. Seu peso é tão imenso que não houve quem o levantasse do chão.

Percebi, então, que na vida não valoramos a alegria, a felicidade, mas nos importamos com aqueles ínfimos momentos em que sofremos com algum tipo de emoção.

Se colecionarmos as pedras das mágoas, raivas e outros sentimentos vis, constataremos que são pesares tão pequenos, tão insignificantes nas areias do caminho, comparados ao oceano de  felicidade que é a vida que, com certeza, elas ficarão sobpostas em algum lugar tão exíguo, tão insalubre com o mofo dos anos que, provavelmente, não iremos querer encontrá-las. Melhor esquecê-las; triturá-las com o perdão.

A vida é ma-ra-vi-lho-sa e devemos sempre vê-la com os olhos do coração.

SSA 12/08/2010
www.sonyaazevedo.net

Sonya Azevedo
Enviado por Sonya Azevedo em 27/09/2010
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários