Sonya Azevedo
Essência em versos e prosas
Capa Textos Áudios E-books Perfil Livro de Visitas Contato
Textos




Meus Blogs

Jacintos da Alma
Nascentes de Luz

Sempre grata a todos que tão belamente interagem com meus versos

SONETO À PAIXÃO
Jacó Filho
 
A paixão tem da terra, os elementos,
E o fogo por certo, controla o desejo.
O ar se esgota na eternidade do beijo,
A água diz no rosto o contentamento.
 
Sublimado o profano, à esfera de luz,
Sentimos na alma o amor verdadeiro.
O corpo neste mar é um dócil veleiro,
Que o vento do sentir, ao céu conduz.
 
Viajando dimensões de puro encanto,
Atracado em braços que nos provoca,
A felicidade em Deus parece que toca.
 
O sonho pretendido transborda tanto,
Que afeta a vida de pessoas em volta,
Dando certezas, que só amar importa.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Poeta Olavo

Eu quero abraçar a sua escrita
E amar as suas poesias
Sem saudades ou desdita
Pra clarear os meus dias

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

SONETO À DEUSA
Solano Brum

Sei que o tempo corre velozmente
Porquanto te procuro e não te vejo.
Tua boca é rosa que em sonhos beijo,
Como o sol que beija a tarde no poente!

A espera desse corpo, é o que mais almejo
- Não te comove o que minh'alma sente?
Se estou só, eu me torna um demente,
Mais demente se não aplacas meus desejos!

Ah! Deusa das ilusões dos meus pesares...
Fogo no qual me queimo sem me saciar;
Doce canto das sereias dos sete mares...

Por onde andas? - Porque não vens?
E porque o tempo corre sem parar,
Tomando de minhas mãos todos os bens?

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Cáritas à Sonya Azevedo
Serra Geral

Pensei, sem ser pouco, ser breve
Numa espécie de extasiado passageiro
Por quão bela"ode", me deparei
Não importando ser, segundo ou primeiro
Se outros já oscularam seus dizeres
...se já bebeberam desse mesmo mel
Me importou e importa sim, estar aqui presente
Testemunhando teu belo "PRESENTE"
Num Soneto lindo
Que chegou pra nós, mortais
Advindo, trazido por anjos do Céu!


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Poesia à Bela Musa Calíope
Gualberto Marques

Num sonho que desejava vivenciar 
Observava-a entre milhões d`estrelas. 
Qual um mero ?bardo? que tentava versar, 
Elegendo-a como a Musa mais bela. 

Modéstia foi célere em me castigar. 
Afastou esse meu desejo ardente, 
De a querer com toda a paixão amar. 
A desilusão foi mais que evidente? 

Mas a nossa Vida é ilimitada, 
Qual é a Esperança dum Espírito. 
Cada existência é um, quase nada, 
Prás ?Almas? que vivem no infinito. 

Muitos já têm amado com dor ou prazer? 
Quem vive com Amor nunca se contradiz. 
Será Feliz, quem com Amor souber Viver.
 Não Eu; mas Mestre Jesus que assim o diz.

   Faro, 31 Julho 2021   

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
       
 
Sonya Azevedo
Enviado por Sonya Azevedo em 25/07/2021
Alterado em 03/08/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários